Programa de palestras para professores de 1º. e 2º graus que tem por objetivo sensibilizar para a necessidade de despertar nas crianças valores voltados à construção de uma sociedade mais digna.

O que poderá garantir que uma empresa sobreviva e seja considerada como fornecedora de serviços ou produtos que agregam valor à sociedade, às portas do Terceiro Milênio? Muito mais do que um conjunto de ações empresariais a serem implementadas para atender a determinado mercado, as empresas que sobreviverão estarão expostas a ambiente muito mais exigente que o de hoje, tanto no que se refere às condições de preço e qualidade de seus produtos, como em relação à sustentabilidade, ou seja, elas serão observadas pelas sociedades de acordo com a sua "ecoeficiência".

O que vem a ser ecoeficiência? Como definido pelo World Business Council for Sustainable Development (Genebra 1996- Ecoeficient Leadership), significa a competitividade na produção e colocação no mercado de bens ou serviços que satisfazem às necessidades humanas, trazendo qualidade de vida, minimizando os impactos ambientais e o uso de recursos naturais, considerando o ciclo inteiro de vida da produção e reconhecendo a "ecocapacidade" planetária.

Sustentabilidade será, inegavelmente, parte fundamental do planejamento das ações empresariais, certamente em conjunto com diretrizes de desenvolvimento governamentais que consolidarão esforços tanto das esferas públicas como privadas. Para tal é necessário rever valores institucionais, a fim de reverter o quadro de devastações ambientais geradas pela atuação industrial e da deterioração social, principalmente o preocupante quadro de desemprego. Como, então, conciliar a continuidade de investimentos em setores produtivos, a produtividade, competitividade e lucratividade, considerando-se valores de preservação do patrimônio ecológico e ampliação das situações de qualidade de vida, não mais para determinado segmento da população, mas para a sociedade como um todo, incluindo-se todos os seres vivos, dessa e de futuras gerações? É preciso sonhar...

Existem saídas ...

No que se refere ao viés ecológico, pode-se pensar em incentivos à criação de sistemas de tratamento de resíduos industriais, processos de reciclagem, que reduzam a dispersão de substâncias tóxicas. Pode-se ampliar as condições para a reestruturação da atuação industrial, dentro do entendimento do que é desenvolvimento sustentável. Pode-se ampliar a atuação de grandes grupos empresariais, incentivando-os a assumir a responsabilidade pela criação de sistemas voltados à preservação de recursos renováveis e busca de sinergias na utilização desses sistemas por outras empresas de porte menor. Pode-se criar alternativas para um sistema integrado que venha a produzir resultados, a custos compartilhados, voltados a propósitos de renovação do atual modelo de desenvolvimento, amplamente questionado.

No que se refere ao viés social, deve-se aplicar o conceito de "ecoeficiência social", através do estudo de estratégias voltadas à ampliação de emprego, incentivo à criação de empresas, incentivo a novos empreendimentos, apoio ao treinamento voltado à tecnologia industrial básica, à capacitação de empreendedores e administradores de negócios. É preciso também que as empresas sejam capazes de exercer influência junto aos governos, seja através da mudança de legislação ou outras mais radicais, para reverter o quadro de desemprego; uma intervenção inteligente e orquestrada se faz necessária, tanto para a manutenção dos empregos, quanto para a criação de novos. A educação, com certeza, sua estrutura, infra-estrutura e condições atuais, deverá também estar integrada aos novos conceitos de desenvolvimento. O que é fundamental para tornar irreversível o processo de reinvenção do desenvolvimento.

Dentro do contexto das mudanças citadas, como as empresas podem iniciar o processo de sobrevivência e perenidade para além desse milênio? É certo que elas não podem arcar com todo o ônus do processo. Cumpre a cada parte envolvida, empresas, governos, organizações não governamentais, sociedade, universidades e outros recursos da comunidade, definir e realizar a sua parte, traduzindo suas expectativas em planos e estes em ações que tenham sinergia, que possam estar coordenadas e integradas, num único intuito de construção, inclusive consolidando os diversos esforços e movimentos isolados que podem ser observados hoje em dia, dentre as diversas categorias das entidades aqui citadas.

O Comprometimento Visível através da Educação

É essencial que os conceitos a serem assumidos pela cultura das instituições sejam "reinventados" e divulgados, disseminados, discutidos, apreendidos. Que premissas adotar é a questão fundamental relacionada a transformações radicais. Dado que é necessário inserir nos planos (empresariais ou entidade de outra natureza) a opção pela renovação, antes de efetivamente traçar objetivos e metas do negócio propriamente dito, é preciso criar a cultura fundamentada em conceitos e exercício da ecoeficiência, ecocapacidade do planeta, melhoria da qualidade e preservação da vida. Adota-se, portanto, premissas básicas para a implementação de medidas, através da educação, iniciando-se com a reinvenção do papel das Empresas e das Organizações, no seu sentido mais amplo. Elas podem ser compreendidas pela transcrição de parte do trabalho que está sendo feito para criação do Centro para a Competitividade e Desenvolvimento Sustentável do Mercosul (decisão do CEBDS - Conselho Brasileiro para a Competitividade e Desenvolvimento Sustentável)

O Papel das Empresas

Trabalhar com um horizonte e metas de longo prazo (os indígenas americanos tomavam suas decisões avaliando o impacto até a sétima geração!), tendo por propósito atuar como redes de abrangência mundial, cuja motivação de seus dirigentes é deixar sua marca no futuro, um legado de valor em termos de melhoria da vida no planeta, considerando saúde humana, ambiental, paz, justiça social e cidadania.

As Organizações

Contribuindo como parte de um todo não completamente conhecido, que apresenta a diversidade em sua essência e que demanda o cultivo das relações e a aceitação das diferenças, fazendo com que a integração seja a chave para a convergência de missões pessoais, empresariais e comunitárias, para a competitividade e soerguimento do País, de seus parceiros na economia internacional e Mercosul, da sociedade como um todo.

Para tal é necessário rever-se o escopo de muitos programas de capacitação voltados à gestão de negócios, e adotar uma nova abordagem em "tecnologia gerencial". No contexto que é colocado no decorrer desse texto, pode-se dizer que esses programas deverão consistir de capacitação e aplicação de conhecimentos gerenciais abrangentes, em harmonia com os valores sócio-culturais e ambientais/tecnológicos, objetivando a competitividade, sustentabilidade, integridade ambiental. Na verdade estamos falando de preparar para gerir a ecoeficiência. Um escopo simplificado do que se pretende alcançar com a implementação de tais programas pode ser assim descrito:

Formação de Empreendedores, para "fazer acontecer" projetos, definindo clara e objetivamente sua vontade em relação ao negócio: o que fazer, em que tempo, onde encontrar recursos necessários, como utilizá-los com ecoeficiência, e perseguir metas de desempenho. Visa ainda prepará-los para o gerenciamento do negócio, num ambiente de competitividade e imprevisibildade, conjugado com a preservação ambiental, disseminando a educação para o desenvolvimento sustentável na comunidade onde atua.

Formação de Líderes, capacitando pessoas para produzir mudanças em várias dimensões do conhecimento, que sejam transformadas em práticas gerenciais, adicionando competência e aprendizado às empresas e às comunidades, através de exemplos e exercício de processos de participação democrática, na empresa e na sociedade, agregando valor a essa. A formação de redes para a conectividade de idéias é essencial, pois possibilitam ações mobilizadoras, proporcionam alianças e criam ambiente favorável para o desenvolvimento sustentável.

Evidências não Descartáveis

O homem não pode destruir aquilo que ele não sabe como reconstruir. É precípuo iniciar um processo de educação voltado ao despertar da consciência para a preservação da vida. Enquanto empresário, principalmente, seja o exemplo, organize-se de forma a promover a busca de soluções coletivas, partindo de comunidades onde atua, ampliando ações e discussões também para fora da sua área de atuação. Promova o desenvolvimento de uma grande e comum idéia sobre como criar perspectivas que possam garantir a competitividade das empresas no ambiente nacional e internacional, revertendo o quadro de desemprego e impulsionando a economia, dentro de padrões de desenvolvimento sustentável. É essa a grande equação.

Depois de considerados esses referenciais fundamentais, parta para desenvolver efetivamente seus planos. Delineie estratégias consistentes com esses referenciais; desenvolva a grande equação, obtendo respostas alinhadas a ela. Siga no caminho de preparação da empresa para o futuro, estabelecendo um bom plano de transição, pois não é em passe de mágica que os sonhos se tornam realidades. E, Boa Sorte, você escolheu um caminho, nem sempre o mais fácil, mas aquele do qual você, todos aqueles que o cercam, e todos os seus colaboradores se orgulharão.

 

 

Programa de palestras e workshops junto às Universidades (corpo docente e discente) que tem por objetivo agregar alguns conhecimentos aos alunos em questões como Tendência das Organizações e Mercados, Os Desafios da Inovação, Empregabilidade e Trabalho, Gestão do Conhecimento, Novos Paradigmas Sociais, O Papel das Empresas, Premissas para o Terceiro Milênio, etc.

 

Caracteriza-se pelo levantamento de ações de curto e médio prazos que as empresas podem empreender, inclusive utilizando-se de benefícios fiscais, para apoio à comunidade local circunvizinha, através dos mais variados projetos, como a seguir:

Adoção de escolas, patrocínio do Projeto Jovem, criação de espaço para bibliotecas, fornecimento de computadores à comunidade, fornecimento de apoio psicológico/preparatório a crianças, financiamento de estudos de crianças/adolescentes, cursos de idiomas, cursos técnicos/profissionalizantes, escolas de esportes, orientações para procura de serviços sociais e médicos/odontológicos, ensino de cidadania, etc.

 

O APOIO QUE A SUA EMPRESA PODE OFERECER É ILIMITADO!